25.2.10






















© António Barros|UC



[do monólogo, coisa pública]
programação integrada na XII SEMANA CULTURAL DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA >>> MÚSICA Solo I e II | ANTÓNIO PINHO VARGAS 1 de Março | segunda | 21h30 | no Teatro Académico de Gil Vicente >>> TEATRO Vulcão | de Abel Neves | com CUSTÓDIA GALLEGO | 2 de Março | terça | 21h30 | Teatro da Cerca de São Bernardo >>> TEATRO Historias Tricolores ou de como aqueles animaliños proclamaron a república | CÁNDIDO PAZÓ | 3 de Março | quarta | 21h30 | Teatro da Cerca de São Bernardo >>> TEATRO Concerto à la carte | de Franz Xaver Kroetz | com ANA BUSTORFF |4 de Março | quinta | 21h30 | Teatro Académico de Gil Vicente >>> TEATRO Mary Stuart | DENISE STOKLOS | 5 de Março | sexta | 21h30 | Teatro Académico de Gil Vicente >>> TEATRO Calendário da Pedra DENISE STOKLOS | 6 de Março | sábado | 21h30 | Teatro da Cerca de São Bernardo

22.2.10

Escrita mínima

O fulgor das magnólias refloridas, talvez um sinal de tréguas na paisagem; escreveu o senhor X, subindo no eléctrico 703...

5.2.10

MARCINHA

[...] O que eu queria falar na nossa primeira reunião era sobre a minha compulsão por comer chocolate, não falei porque ficou sendo apenas o dia da nossa apresentação e eu disse que o meu nome era Marcinha, mas como está todo o mundo abrindo o coração, quer dizer, abrindo um pouco, quero começar dizendo que o meu nome não é Marcinha, esse é um pseudónimo e isso não chega a ser uma falsidade porque eu sempre quis me chamar Marcinha e vocês podem me chamar de Marcinha. Mas eu falava da minha loucura por chocolate. Como chocolate todo o dia e engordo todo o dia, e a coisa que eu mais gostava era ir à praia, e cada ano o Verão é mais forte, mas não tenho coragem, desisto, me sinto humilhada quando vejo meu corpo no espelho, com maiô inteiro que comprei e que nem mesmo as coroas usam mais.
[...] Não vou falar muito mais. Eu não desisto. Tenho sempre barras de chocolate na minha casa, um dia tranquei a despensa e joguei a chave fora, mas algumas horas depois arrombei a porta da despensa e devorei várias barras sem parar, o que acabou desarranjando os meus intestinos. Bem, eu disse que ia falar pouco e vou terminar. Outro dia eu estava em casa, de tarde, vendo televisão, e quando fui pegar um chocolate notei que havia acabado. Saí correndo desesperada para comprar chocolate no supermercado que fica perto da minha casa e quando já estava lá dentro, em frente a uma prateleira cheia de chocolates variados, percebi que não havia levado a bolsa e não tinha um tostão comigo. Me senti tão infeliz que comecei a chorar em frente à prateleira, eu não ia aguentar mais um minuto sem comer um pedaço de chocolate. Então coloquei uma barra pequena no meu seio, o peito grande serviu pelo menos para isso, e saí com a barra escondida e logo que cheguei na rua devorei o chocolate. Mas a minha vontade não passava e eu, e eu, o negócio é abrir o coração, não é?, e eu corri para outro supermercado e fiz a mesma coisa, apanhei duas barras e fugi com elas, e comi as duas na rua e depois fui na padaria e apanhei, agora três barras, escondi no peito e comi logo em seguida na rua. Acho que minha história é a pior de todas. [...]

excerto de "Agora Você",
in "Secreções, Excreções e Desatinos", 2001
RUBEM FONSECA








Espécie de escrita

As gaivotas, engraçadinhas, costumam atravessar o rio, fazendo-se passar por um ameaçador crocodilo.
Quando saem da água, fazem um sorriso aberto e pedem uma moeda aos turistas que se passeiam nas margens.

4.2.10

GAMBOZINOS (com ó) e PEOBARDOS...